A você...

A você que se indigna

Com toda desigualdade
Se preocupa com a sina
Dos mendigos da cidade

A você que quer defender
As pessoas sem maldade
Ama todo e qualquer ser
E se irrita com falsidade

A você que se preocupa
Com a torneira a escorrer
Com o pai que não educa
E se nega a compreender

A você que luta pela vida
Da manhã ao anoitecer
E bem cedo se agita
Levanta e faz acontecer

A você que divide com alguém
O único pão que tem
Não importa seja quem
Me chame de irmão também

Nós estamos nesta luta
Nunca vamos desistir
Quem comeu desta fruta
Valeu a pena em existir

“Se você é capaz de tremer de indignação toda vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros”