Dias de luta

Hoje eles vão pintar o rosto de vermelho. Com faixas negras na horizontal, levemente apontadas para baixo. Vão colocar os seus cocares coloridos. A pintura corporal será em cruzes brancas. O grafismo utilizado é de guerra. Estão preparadas as armas, entre elas os arcos, flechas, machados e lanças. A aldeia está em polvorosa. As mulheres e crianças se ajuntam perto do cacique para a despedida. O cacique, com sua ampla experiência e responsabilidade, faz as recomendações. Faz a reza. Orienta para que as famílias façam um círculo dançante ao redor dos guerreiros. A dança é longa e agressiva. Dura a noite toda. Por fim é servido aos guerreiros um chá. O chá da força. O chá traz à mente a força de todos os cinco milhões de antepassados que viviam no Brasil antes da colonização. A luta será contra o pior inimigo que já existiu. Será contra a ganância dos capitalistas que querem tomar as poucas terras demarcadas que ainda existem.