Pétalas

Como as pétalas que caem

A essência de todos os amores
Você está em todos os lugares
Mesmo que seja no mais distante
E que este distante seja tão perto
Como a distancia entre a mente e o coração
Aflora em mim, outra vez (talvez)
A necessidade de algo tão certo,
Bem perto mas tão fugaz, que se faz
Então necessário parar de pensar
Ainda que implorar-te-ei 
Aparecer repentinamente da imensidão 
Como quem invade sem solenidade
Um coração, que está cansado (idade?)
Que antes de pulsar, toma fôlego
Pra não cessar esta nostálgica falta
Que na prática, mais bem do que mal faz
Pois assim meio sem sossego
Escrevo em busca de algo mais
Que nem mesmo a mente pode dar
E se desse, o coração não iria agüentar
Pois felicidade em demasia 
É como banho de água fria (sacia?)
Em noite quente de verão
Óh pobre coração, de que reclamas então?
Tente apagar de sua mente (novamente)
Que exista algo melhor que pulsar
E deixe as pétalas que caem
Seguirem seu destino (desatino?)
Pois apesar delas, as flores continuam lindas
E a primavera (estação mais bela) ainda vai chegar...