Saudade pra que?

Saudade é um negócio de arrepiar
Mata mesmo sem nem perto estar
Dói sem nunca ter que apertar
Vem sem a gente convidar!
 
Vamos fazer assim, ô Dona Sá
Passe por aqui só para visitar
Mas não faça barro em meu pisar
Tampouco peça chá, nem pousar
 
Porque de ti gosto só um pouquinho
Pra ter certeza que meu sonhar
Faz muita falta, chega a dar um nozinho
Na garganta e vontade de chorar
 
Seja minha amiga, sem petulância
Pois saudade permito apenas da infância
Já que não há remédio contra lembrança
Nem meio de voltar a ser criança