Soneto da vida

A vida quero celebrar, ao alento

De vê-la eterna e para tanto
Se manifestar em todo momento
E a nós, mortais, contentamento

Me faz singular vitima da felicidade
Em eterna torna a origem da idade
Seu sangue pulsa a minha identidade
Vivê-la, em mim vive a eternidade

E quando nem eu mesmo esperar
A continuidade há de continuar
Que seja em seu certo tempo

Para cobrir de alegria o ar
Que espalhará com o vento
Mais uma vida para amar