Um dia, uma dor

Que o dia seja belo e a dor

No peito seja leve (no meu)

E que não se mede (no seu)

E as flores tenham olor

Que não venha nenhum ateu

E que a alça seja leve, me leve

Pra onde quer que eu for

Também que seja breve

E fique só a parte do amor

Seja certo e o que se deve

E o que devo fique sem por

Que a memória não quede

E nunca perca sua cor

Que tudo volte a ser poesia

Mesmo que sem rima, se for

A tentativa bem (mal) sucedida

De fazer tudo, sempre melhor